Riscos Psicossociais e Teletrabalho

Motivado pela pandemia COVID-19 o teletrabalho instalou-se e, é atualmente uma realidade para milhões de organizações, líderes e trabalhadores por todo o mundo. O modelo de teletrabalho, por si, não é, positivo ou negativo, e as suas características e consequências vão depender das diferentes circunstâncias do contexto organizacional em que ocorre.

Já muito se tem refletido sobre os principais benefícios e desafios associados ao teletrabalho, neste artigo vamos debruçar-nos sobre os riscos psicossociais que lhe estão associados e apresentar algumas formas de os prevenir com base no documento A (in)sustentabilidade do teletrabalho da autoria da Ordem dos Psicólogos (abril de 2021).

 Tal como os trabalhadores em regime presencial, os trabalhadores em regime de teletrabalho também estão sujeitos a Riscos Psicossociais. A maior parte destes riscos são semelhantes ou acentuados face aos Riscos Psicossociais associados ao regime de trabalho presencial. Temos os riscos relacionados com:

  • As tarefas laborais (são exemplo, a falta de autonomia e controlo sobre as tarefas e a organização do trabalho; conteúdo do trabalho sem significado para o trabalhador, não lhe permitindo aplicar os seus conhecimentos e competências);
  • A organização do trabalho (são exemplo, os horários de trabalho contínuos e excessivos);
  • A estrutura da organização (são exemplo, a falta de oportunidades de promoção e desenvolvimento profissional);
  • E outros (são exemplo, o stresse laboral, incerteza quanto ao futuro do posto de trabalho ou dificuldade em conciliar os compromissos laborais e familiares).

Deste modo, as estratégias de construção de locais de trabalho saudáveis, promotores da Saúde Psicológica, do Bem-Estar e da Resiliência, podem aplicar-se de igual modo ao teletrabalho:

  1. Garantir o envolvimento e o compromisso de todos os elementos da organização;
  2. Analisar a realidade particular da organização através da avaliação de riscos psicossociais;
  3. Escolher ações de intervenção adaptadas;
  4. Rever os resultados das ações implementadas.

 Sabemos que as características dos locais de trabalho saudáveis correspondem aos fatores protetores da Saúde Psicológica, do Bem-Estar e da Resiliência das organizações e dos seus trabalhadores. Assim, é perentório construir Locais de Trabalho Saudáveis, seja em regime de teletrabalho ou presencial.

Os Locais de Teletrabalho Saudáveis têm como características:

  • A carga de trabalho corresponde às competências e experiência dos trabalhadores;
  • Os trabalhadores estão envolvidos no planeamento da sua carga de trabalho;
  • É realizada uma avaliação regular dos riscos psicossociais, da Saúde (física e psicológica) e do bem-estar dos trabalhadores;
  • Realizam-se ações de prevenção e promoção da Saúde Psicológica, Bem-Estar e Resiliência; existe uma política de comunicação interna, aberta e transparente;
  • Os trabalhadores participam nos processos de tomada de decisão da organização;
  • Os gestores e líderes recebem formação para lidar com os desafios e dificuldades colocadas pelo teletrabalho;
  • Existe um reconhecimento do contributo dos trabalhadores para a organização.

E a sua empresa, já é um local de trabalho saudável? Está a caminhar para se tornar um?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *